Os investimentos de uma empresa para gerenciar o estoque são altos, não é mesmo? Equipe, equipamentos e manutenção do próprio espaço são alguns exemplos de custos. A ação que você precisa garantir isso em em sua operação, então, é otimizar a produtividade do armazém. Somente assim você garante retorno e bom uso de todos os valores gastos com cada item. Ótimo, mas como tirar o melhor com o que tenho? Essa é a pergunta que vamos responder para você nesse artigo. Confira.

O passo essencial para garantir a produtividade na gestão do estoque é monitorar dados, ou seja, observar o desempenho no dia a dia da operação, obtendo assim informações úteis que ajudem na otimização dos recursos. Além disso, é preciso trabalhar com regras bem claras para o gerenciamento do armazém.

Regras clara ajudam a melhorar a produtividade do armazém

Na condução da gestão do armazém, é essencial que você não deixe arestas soltas na operação. O que isso quer dizer na prática? Significa que é necessário amarrar cada ponto no gerenciamento, com regras bem claras de armazenamento, entrada e saída de produtos. 

Imagine o seguinte cenário. Sem regra alguma de armazenamento, sua empresa costuma receber e enviar uma quantidade de produtos razoavelmente pequena, que permite aos operadores saberem de cabeça onde devem guardar e quais precisam sair primeiro no momento de um pedido.

Mas, digamos que sua empresa recebeu um pedido expressivo e de itens não tão comuns, exigindo uma movimentação atípica em seu armazém. Sem nenhum parâmetro de armazenagem previamente estabelecido, esse momento que deveria ser de comemoração pode acabar se tornando uma grande dor de cabeça.

Isso porque sem regras, os operadores podem acabar se perdendo na hora de armazenar os itens que quase não entram, além de terem também dificuldade com a grande quantidade com a qual não estavam acostumados.

Mas como resolver o problema da falta de regras de armazenagem? O primeiro passo é mapear todo e qualquer produto que possa entrar em seu armazém, mesmo que ele entre poucas vezes. Afinal, um dia pode acontecer, não é mesmo?

Na sequência, defina as regras para armazenagem de cada um deles, seguindo critérios como necessidade de estrutura para armazenamento, características químicas, prazo de validade e outras. Estabeleça onde cada um deve ficar e de que forma deve ser colocado na prateleira, além de escolher previamente a ordem em que eles devem sair.

Isso será de muita ajuda para os operadores, pois, no momento de maior movimento, eles saberão exatamente o que fazer e para onde levar e de onde tirar cada produto, aumentando, assim, a produtividade do armazém.

Uso de dados para melhorar a produtividade do armazém

Além da definição de regras, outra dica importante é usar dados para melhorar a produtividade do armazém. E aqui não há nada de mirabolante, pois estamos falando de informações que saem do seu próprio negócio e que podem ajudar a otimizar a operação.

Um exemplo disso é na gestão do espaço do armazém. Isso porque é possível controlar os níveis de estoque e observar o uso de cada local do depósito, por exemplo. Com isso, aos poucos a gestão pode identificar pontos de melhorias, como ampliação de espaço para um item, redução para outro que esteja usando pouco.

Imagine que a partir de informações de estocagem, você perceba que o item x esteja utilizando pouco espaço do local do armazém destinado para ele. Assim, a empresa pode dividir essas prateleiras com outras mercadorias que estão tendo mais saída. Tudo isso de forma muito dinâmica e acompanhando o dia a dia da operação.

A captura e a leitura dessas informações, assim como a definição de regras, podem ser feitas a partir de uma solução de WMS. A ferramenta faz o controle de toda a movimentação de mercadorias dentro de um armazém, registrando entradas, indicando o melhor local de armazenamento e o lote de um item que deve ser enviado para o cliente.

O WMS registra todas essas informações e as apresenta em nível gerencial para um acompanhamento assertivo e efetivo. Quer entender melhor como a ferramenta funciona? Entre em contato com a Softdata. Nossa equipe de especialistas está à disposição.

Compartilhe esse artigo nas redes sociais

Quer receber mais conteúdos como este?

Desenvolvido pela